quarta-feira, 5 de maio de 2010

escola

Sonho em voltar à escola para estudar algo que não tenha futuro absolutamente nenhum.
[Quando era miúda e verdadeiramente ingénua ninguém me explicou que são as escolhas sensatas que nos lixam]

9 comentários:

paperdoll disse...

concordo 100%

jpm disse...

Deixa estar que as pouco sensatas não são grande espingarda...

FranciscoLeitao disse...

lembro-me de dizer a semana passada: o problema foi que sempre me explicaram que devia fazer o que gostava.
Esta história de confundir trabalho e prazer, não sei não, também é um belo luxo contemporâneo. Nem que seja porque dá para passar o tempo a pensar nisto :)

Anónimo disse...

o exagero do sensato faz mal! acaba por ser insensato, mas mascarado de tal forma de sensato que ninguém nos avisa ou pode avisar... ninguém sugere o insensato!

HI&P Anon.

lpb disse...

mais vale sonhar o insensato com a certeza da sensatez que o contrário.

paperdoll disse...

não concordo nada. "a certeza da sensatez" é a pior coisa que existe quando se faz algo de que não se gosta. falo por experiência própria - por isso vou agora investir noutra área, espero que não tarde demais...

gostava que me tivessem dito isto mais cedo...

paperdoll disse...

é possível... :$

(quando disse "não concordo nada" era em relação ao comentário anterior, não ao teu post, percebeste isso, certo? agora reli e interpretei de outra maneira...)

paperdoll disse...

não é que eu tenha talento, mas tenho gosto, pode ser que o resto venha por osmose :p o meu empurrão acontece todos os dias, quando vou e venho do trabalho. não é para mim.

mas pera la... como é que sabias que é fotografia? nunca falei disso no blog! quanto a desenvolvimentos não os esperes no blog, não costumo falar destas coisas e quando falo da minha vida, não entro em pormenores. talvez um dia faça um post do género "depois de mais uns anos a estudar, eis que mudo de carreira"! :)

lpb disse...

eu não disse que uma coisa exclui a outra. daí o verbo "sonhar". ninguém deixa de sonhar por fazer algo de que não gosta. mas é melhor poder sonhar e fazer algo que estabiliza do que nutrir ilusões incomportáveis acerca de uma vida mais livre e incerta. conheço muitas pessoas de destino incerto e que fazem algo do seu agrado. não são mais felizes do que as outras. é que o mundo da humanidade não se reduz ao trabalho. há mais. daí o sonhar.