quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Kate Orne



Brothels and Fundamentalism

This body of work examines the uneasy peace between Islamic fundamentalism and profanity in the brothels of Pakistan. Pakistan’s little known sex industry survives under a blanket of modesty, pretense and oppression. This isolation with its inner conflicts drew me in. The sexual natures of their business interest me less. I find the women proud despite their stigma, yet modest in keeping with their Islamic upbringing; a woman sits on her bed, a madam. She recently sold her 14-year-old daughter’s virginity. (from Kate Orne's webpage)



Cheguei a esta fotógrafa através do showcase Women in Photography... enervam-me as distinções de género, na arte ou em qualquer outro campo, principalmente as distinções politicamente correctas e bem intencionadas. Abri a página cheia de desconfiança e cepticismo, encontrei esta e outras fotógrafas excepcionais, mas também me deparei com projectos para os quais não tenho paciência nenhuma. De qualquer forma, continuo a sentir aversão à ideia de que faz sentido haver algo chamado "mulheres na fotografia", tal como sou contra as cotas no parlamento e reviro os olhos sempre que vejo anúncios a um canal chamado "sic mulher" (sim, é mesmo um assunto que me irrita)... mas devo deixar esta discussão para outro post.
Kate Orne, independentemente de ser mulher, é uma artista com uma sensibilidade que me comoveu, vale a pena passar pela sua página e perder uns momentos com as suas fotografias.

3 comentários:

Beko disse...

Fosse toda a gente como tu e estavas agora em casa a tomar conta dos teus 3 putos, provavelmente na companhia das outras duas mulheres do teu marido..
Isso e o preto não estava na Casa Branca.

O Meu Outro Eu Está a Dançar disse...

a mim não me irritam desde que seja numa visão mais "biológica" da questão, neste caso (porque admito que assumimos diferenças comuns entre géneros)
Se a matéria que distingue conceptualmente estas fotografias reunir, como ponto de partida, essa sensibilidade, que pode ser diferente nos homens e mulheres. quem diz homem/mulher diz idoso/criança, pessoa livre/presidiário... sei lá, qualquer que seja o grupo que reúna vários pontos de vista a partir de circunstâncias ou contextos semelhantes...
no entanto, percebo o que queres dizer. há por aí "agrupamentos" foleiros, que só por si, distorcem logo a maneira de serem observados...!
obrigada pelos links, gostei muito das imagens :)

dri disse...

@ bernardo: vai lavar a loiça ;)

@ pilar: percebo o que queres dizer, mas muitas vezes não vejo uma verdadeira linha condutora (artísitca) neste tipo de distinção e com um título do tipo "women in photography" é muito fácil cair em clichés aborrecidos e bastante batidos.
beijinhos!